Archive for dezembro \11\UTC 2008

Conspirações

11/12/2008

Um homem magro, alto, de sobretudo e têz clara, apressado e sem expressão entrou na farmácia São Patrício. O balconista baixo, de face saliente e barriga idem o olhou com firmeza. O homem fez um semicírculo com os olhos observando o interior do estabelecimento e, batendo uma palma na outra como quem diz “pois então”, disse:

 Eu quero uma pomada.

O balconista continuou olhando fixamente o visitante.

 É pro pescoço.

O homem estranhando a inércia do atendente bate o com o punho fechado sob o tampo do balcão.

 Não é esse o sinal. Diz o balconista olhando para os lados.

 Quê?

 O sinal não é esse.

 Mas que sinal?

 Como assim, que sinal? O sinal que você deveria emitir depois de fazer o pedido.

 Eu quero uma pomada.

 Sim. E depois?

 Quero ir embora!

 Não pode.

 Como não pode!? Tá, chega. Vai me atender ou não?

 Ao menos diga a frase de comando.

 Pitchu galera.

 Pára de palhaçada!

 Pára você de palhaçada. Vá se ferrar! Vou na farmácia da outra rua.

Barulhos vindos da parte superior fazem ambos pararem a discussão.

 Pschiiiii. Fez o balconista levantando o indicador no próprio lábio. – É o irlandês.

 Que irland…

 Pschiiii!

 Que irlandês?

 O maluco.

Alguém mete o pé na porta da farmácia e a abre violentamente. Tem em mãos uma metralhadora. O balconista e o homem levantam os braços.

 Ah, rá! Te peguei, Dimitri…

 Droga, viu o que você fez!? – Disse o balconista para o homem.

 O que eu fiz? Não tô entendendo nada!

 Parem de brigar, seus dois traidores de meia-tigela. Me dêem a bula logo e prometo uma morte honrosa, com os miolos dos dois em exposição nessa espelunca.

 Vai, entrega pra ele. E prepare-se para sofrer. O balconista aperta os olhos e vira a cara.

 Entregar o quê? – O homem não sabia o que fazer.

O teto desaba. Um sujeito grande e de barba vermelha cai por cima do cara com a metralhadora. Tem uma caneca de chope em mãos. Levantando e abanando a sujeira de cimento e madeira e fuligem, brada:

 Viva!

 É o irlandês maluco.

 É… Percebi.

Isso é uma conspiração. Não precisa fazer sentido.

Aliás, você nunca leu isso antes… Certo?